Manejo do Paciente com Cetoacidose Diabética e EHH

Aula aberta, gratuita e acessível aos acadêmicos e profissionais de saúde

Aula aberta, gratuita e acessível aos acadêmicos e profissionais de saúde
 Início: 25/11/2020 às 19:00    Fim: 25/11/2020 às 21:00    Videoconferência   Inscrição

Por consenso múltiplo dos membros da diretoria, o tema escolhido para a aula aberta da LAMURGEM foi “Manejo do Paciente com Cetoacidose Diabética e EHH”. O assunto remete às alterações metabólicas que desenham a tríade de hiperglicemia persistente, acidose metabólica e hipercetonemia associada à cetonúria e essa reação ocorre por deficiência absoluta ou parcial de insulina acompanhado do aumento de hormônio hiperglicemiantes. A insulina por sua vez, promove a captação de glicose e a formação e glicogênio, a captação de aminoácidos e a síntese de proteínas, assim como a captação de ácidos graxos e a síntese de gordura. Na ausência de insulina, é estimulada a secreção do glucagon, dificultando a entrada de glicose nas células musculares e adiposas, levando a uma hiperglicemia. Os ácidos graxos livres produzidos pela lipólise são utilizados nos tecidos periféricos como substrato energético e podem também ser convertida em acilCoA que é oxidada a acetil-coenzima A (acetil-CoA), pelo fígado. Desta maneira, em situações de hipoinsulinemia, a acetil-CoA é condensada em acetoacetil-CoA, formando o ácido acetoacético, que é reduzido a ácido ß- hidroxibutírico ou origina a acetona. Devido à falta de tamponamento dos sistemas ocorrido na CAD, pela liberação exacerbada de íons gerada durante a produção patológica de corpos cetônicos, a presença dos ácidos acetoacético e ß-hidroxibutírico resultam na cetose e acidose metabólica. Vendo a necessidade de expandir o conhecimento acerca do tema, desenvolveu-se o projeto de uma aula aberta, gratuita e acessível aos acadêmicos e profissionais de saúde que se interessam pelo tema.